sábado, 6 de dezembro de 2008

Dezembro, enfim..

Eis que aqui estou, escrevendo algo para marcar o início do mês que pra mim soa como um recomeço: Dezembro...Parece que todos nós, eu, você e quem mais quer que esteja lendo esse texto paramos pra pensar, reavaliar tudo o que realizou durante o ano, coincidências à parte, será que é por isso que é o mês de um certo nascimento, ou melhor dizendo, Renascimento.

Renascimento sim, sejam daqueles que cultivam qualquer espécie de credo religioso ou não, afinal cabe respeitar toda e qualquer crença ou não-crença..E olhem só que coisa boa (não me chamem de egoísta, egocêntrica, ou seja lá o que for!): é o mês de meu aniversário, fui "inventar de nascer" justo na época de parar pra rever todas as nossas ações durante o ano, será que é por isso que penso tanto no que faço, vivo reavaliando pra saber se a atitude que tomei foi a mais correta, a mais sensata, a que não vai prejudicar outra pessoa na história...Aliás, pra ser bem sincera, ando com um medo de tomar decisões, se bem que nunca fui muito boa nisso, tomar decisões, ô coisinha difícil viu?!

A gente fica pesando, distribuindo resultados, avaliando conseqüências, parece que de tanto pensar, refletir, o tal do medo realmente paralisa, impede de fazer qualquer coisa, seja ela boa ou má, acho que é medo de sofrer e de talvez fazer alguém sofrer também, não acham?Sei lá, só sei que nada sei, já diria meu amigo e guru Sócrates, parceiro das horas inexatas, incertas e intranquilas, nas quais parece que só a filosofia é minha amiga, conselheira, faz avaliar a melhor atitude à ser tomada, se for parar pra pensar, vejam a etimologia da palavra( nossa, como falei dificil agora hein?!): philos= amigo,sophia= sabedoria, olhem só, realmente ela é amiga, essa não trai, não mesmo...

Há quase um ano atrás estava passando por uma espécie de crise existencial, sem saber que rumo tomar, sem saber pra que caminho profissional seguir, sem contar na confusão que foi começar a nutrir mais que um simples sentimento de amizade por um recém-amigo na época, nossa, que "rolo"!Mas como dizem que quando a gente critica muito alguém por uma determinada escolha que fez, a gente acaba tendo que passar pelo mesmo dilema,e foi de fato o que aconteceu, ou melhor, acho que ainda acontece, olhem, é melhor parar por aqui, senão vou acabar é falando demais e como eu sei, pelo menos presumo, que algum ser humano deve ter muita falta do que fazer e pára em algum minuto do seu dia ou sua semana, não sei e vá ler
essas minhas "divagações" do que é a vida, a minha vida, melhor dizendo,então, encerro esse assunto por aqui, não, não estou sendo chata, desculpem, talvez um pouco precavida, só isso,ok!?

Minha cabeça quando começa a pensar demais parece que se abusa, chega pra mim e me fala:"Calma menina, desacelera, diminui o passo, não tem pra que essa sangria desatada não, deixa que o tempo cuida disso" só que não mais que de repente, vem o espiritozinho da lógica, a tal força racional que teima em querer me reger e me transforma em alguém que quer sempre uma resposta pronta pra tudo e não gosta de deixar nada pendente, nada pra depois e diz:"Minha filha, como é que é??É pra hoje ou pra amanhã, tome alguma atitude ou vai deixar que o tempo"te engula de vez"!?; eita coisinha complicada isso de ficar se analisando viu, acho que vou tirar umas férias de mim mesma, tchau menina, vá relaxar um pouco, depois você volta , com a cabeça fria e coração tranquilo; é, então tá, até depois...

Ludmila.