quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Sapatilhas da discórdia...

É hoje... O último dia do mês de setembro, daqui pro fim do ano são pouco mais de dois meses..Dois fatos corriqueiros me chamaram muita atenção,por isso fiz questãod e dividi-los aqui com vocês..Segunda passada, como toda mulher dramática - ou será que estou usando um pleonasmo?!risos- fiquei naquela velha dúvida de que roupa usar, mais especificamente,qual sapato, afinal tem um certo momento em que eles olham pra você e dizem "que tal aquele outro?!" de tanto que já foram usados..Resolvi pegar de "vítima" uma sapatilha verde, de lacinhos,uma gracinha,mas a danadinha já me causou um prejuízo tremendo viu?"Teima" em me fazer um calo terrível nos calcanhares e por isso,passou meses no fundo do armário...

Foi então que pensei:"vou arriscar"..Por precaução, decidi que o melhor a fazer era colocar band-aids nos dois calcanhares para evitar que os temidos "calos" voltassem "a atacar". E assim o fiz..Movimentos mais lentos, meticulosos,pois á partir do momento em que começassem à encostar na pele, o tormento começaria e eu teria que andar de pés descalços, ainda bem que não foi preciso recorrer a tal tarefa hercúlea-tsc,tsc, que exagero, não acham?!

Por tantas vezes "desistimos" de tentar algo novo, inusitado por medo de que algo de errado, "fora dos planos" aconteça..É meus caros, a tal "zona de conforto" de fato existe!Posso garantir que algum de nós já passou por ela algum dia..Mas e o contrário, que tal sairmos dela?!Arriscar, colocar-se a prova de qualquer desilusão, sofrimento, difícil não?O ser humano se habitua a fazer, a se acostumar com o que é mais fácil, mais prático, porém devo afirmar que conheço alguns corajosos, raríssimos eu diria.Aposto que estão curiosos pra saber como esses agem diante dos desafios, é simples:eles até podem ter medo, mas não deixam que isso os impeça de agir, enfrentar novos desafios, fazer aquela viagem pra Europa já adiada por falta de verba..

Aos poucos vou saindo dessa tal zona..Olhando por uma visão 360 graus que existem outros campos e que sair do "círculo seguro" que muitas vezes nossos próprios pais nos colocam,talvez - e mais uma vez- com a atitude inconsciente de evitar que passemos por alguma situação que gere sofrimento..Ledo engano meus queridos...Viver já é o risco "per si",momentos nos quais muitas vezes é necessário confiar que a corda não vai estourar e deixar que um bungee-jumping de emoções invada nossa vida e nossos corações..Já sei, os planos não deram certo?!Acalmem-se, hoje só foi um dia..Curativos à postos, as feridas um dia, cicatrizam, tenhamos paciência e uma palavra nova que aprendi dia desses: Resiliência..Ficou difícil pra entender? Ah, isso já é uma outra história...

Abraços à todos!!!

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Vende-se um violino...

Depois de alguns muitos dias sem escrever por aqui, cá estou, de volta..Recebi uma mensagem de uma conhecida dizendo a mesma que estava se desfazendo de um violino..Foi então que pensei nesse mimento:"Nossa, se desfazer de um instrumento tão valioso e de som tão bonito..ela deve mesmo ter uma razão para tal"..E qual seria?Um problema financeiro,quem sabe e o mais desesperador, a desistência; não querer mais por achar difícil, complicado demais ou ainda aquele velho:"Não tenho tempo, mas quem sabe um dia eu volte"...E quantas pessoas não fazem a mesma coisa todos os dias?

Afinal, o ser humano tem a tendência de optar por sempre facilitar as coisas..Tem feira de eletroeletrônicos por esse mundo afora com a possibilidade de se desligar um fogão através de um simples toque de celular, pode uma dessas?A própria invenção do controle remoto foi marco inicial de tantas e tantas inovações tecnológicas que estavam por vir..Ninguém mais precisaria se levantar para mudar canais de televisão, aumentar ou abaixar o volume,olha só que "maravilha"..E assim , foram modificando- aos poucos -até a cabeça das pessoas, vejam só...

Se fossemos parar para lembrar todas as invenções do mundo moderno que vieram para melhorar nossa vida, de fato, são inúmeras..Porém, meus caros, sempre existe o revés, o outro lado da moeda que muitas vezes não enxergamos num momento de euforia, no sentido de que, ao mesmo tempo que nos auxiliam a "não perder tempo",pois o velho lema norte-americano ainda predomina na velha máxima de que "tempo é dinheiro",são muitas atribuições, o ser humano se tornou obsoleto e por várias vezes já ouvi pessoas dizerem "o meu dia deveria ter 25 horas"..Será que alguém avalia o que acaba de pedir?

Temos diariamente, mil quatrocentos e quarenta minutos para realizar nossas atividades, xingar o engarrafamento que nunca tem fim nas cidades sobrelotadas do nosso país, levar nossos filhos à escola,ufa isso cansa,não acham?!..Aposto que devem estar see perguntando se eu já soube de cara a resposta de quantos minutos existem em um dia, e a resposta é sim, eu tive de recorrer à amiga calculadora,matemática não é meu forte e nem vai ser..Um detalhe é facilmente perceptível;por mais que fujamos dele, sempre acabamos falando sobre o tempo: implacável, ligeiro como rastilho de pólvora e certo como o nascer do sol..Ah, deixei mais uma coisa no ar, não é mesmo?Mas é claro, o violino!O que será feito dele?Não, realmente não sei, mas certamente alguém terá TEMPO para desfrutar de sete notas musicais, que juntas, fazem melodias que ultrapassam a barreira daquilo que vai estar sempre no nosso caminho, como na música imortalizada:"tempo, tempo, tempo"....

Abraços à todos!!