terça-feira, 22 de novembro de 2011

Re- construção?

Redigi essas linhas após sair de um filme que, à primeira vista, não parecia passar de um simples enredo criado para entretenimento,no dia 17 de novembro...As ideias foram surgindo e tal qual a necessidade de respirar, precisei passá-las para o papel, antes que escapassem como areia fina entre os dedos...

E eu começo essa história com uma frase que recebi hoje:"Você está exatamente onde deveria estar"...Eis que saí dos meus exercícios com o firme propósito de assistir o filme "O Palhaço", dirigido e estrelado por um dos atores mais sensíveis que conheço: Selton Mello...Entrei meio sem saber o que esperar...Sozinha, ainda meio atordoada por ter tomado atitude "tão fora da rotina"....O filme começa...Uma boia-fria trabalha sob o sol escaldante, "coincidentemente", sem saber o que esperar, sem saber como vai ser o dia de amanhã...

O enredo se baseia nos circos mambembes que costumavam circular pelas cidades Brasil afora e adentro...Dos corações das pessoas também...O show se inicia: pai e filhho retratam a figura central: palhaços, os quais fazem de um tudo para divertir a minúscula plateia que ali se encontra...Nesse momento, a minha presença naquele momento começa a fazer sentido,a ter um motivo, uma razão de ser: me vi- e me senti- como cada um dos integrantes do Circo Esperança- nome bem sugestivo, não acham?!

Benjamin começa a se questionar se é aquilo mesmo que "nasceu pra fazer": proporcionar risos alheios...Então ele se pergunta:"Mas e o meu sorriso, onde está?Eu faço os outros sorrirem,mas quem me faz sorrir?"É hora de buscar novas estradas, o seu caminho, meu caro amigo...Por que me senti tão parte daquela cena quanto meu doce palhaço,o "Benja"?Ou seria Pangaré?Senti-me nos dois papéis...A vida nos dá essa oportunidade, de sermos somente um e ao mesmo tempo, todos; o mundo inteiro dentro de um corpo,meio franzino, mas com o coração mais forte que poderia existir...A hora da despedida é marcada por uma mochila nas costas, algumas lágrimas com um turbilhão de saudade e dúvida...Eis a velha dúvida de sempre...Ou seria nova?

Palhaços, uma cigana "misteriosa", um anão- o meio-quilo- que poderia abraçar quantas pessoas quisesse; um casal de acrobatas, mas que na verdade, cada um deles fazia tudo, absolutamente TUDO, assim como numa família (ao menos era o que deveria ser, não acham?)...Enxerguei-me como a própria lona do Circo...Todos os dias, montamos e desmontamos planos, ideias, sentimentos e ações...Que doce "coincidência"...Acho que todos se lembram da frase mais marcante, no decorrer do périplo interno de Benjamin:"Você deve fazer o que sabe fazer"...Mas ele precisa sair, desbravar um caminho nunca dantes percorrido- diria até temido: mergulhar no fundo dos próprios sentimentos e descobrir de onde vem sua história e de que maneira continuar a escrevê-la....
Voltar...voltar para dentro de si...Descobrir - e redescobrir- o porquê de estarmos nesse mundo,nessa época, vivendo com esse conjunto de pessoas, enfim, o porquê de ser EU...Todos nós já nos sentimos algum dia: um pouco esquisitos (o perna-de-pau), o fortão do circo,ufa!quantos caberiam mesmo?!); os melhores e mais poderosos(a cigana misteriosa, o delegado "sem noção", a mulher do "Tim"- o dono do "bar", o "russo made in Maceió- mas olha só....eu não falei que fazia parte do filme?!); os que aprendem mais um pouco todos os dias (O Benjamin, a pequenina que aprende a sorrir dos próprios percalços, Eu, você aí que está lendo...)É, isso mesmo que ouviu...O difícil- talvez confuso- é descobrir quem exatamente faz parte "do que": eu (você) faz parte do filme ou ele mesmo já existia dentro de cada um de nós?

Obrigada Selton Mello,muito obrigada por fazer de um 17 de novembro de 2011 um dos momentos mais desconcertantes da minha vida; afinal desconsertar-para mim- é contsruir de novo...Encerro com uma citação do mais querido de todos os palhaços:"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios...Por isso cante, ria, dance, chore e viva intensamente cada momento de sua vida, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos"....Charles Chaplin...

Abraços à todos!!!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Carências....

Quase dois meses sem passar por aqui...Vocês devem estar pensando:"De novo ela com essa história?!"Mas é a mais pura e absoluta verdade, sinto falta de vocês- os poucos que me seguem, sinto falta até de mim mesma às vezes...Hoje decidi que o dia é propício para tratar desse assunto: carências...Devem estar se perguntando o porquê- de novo...Ontem, um velho amigo comentou que fazia muito tempo que não nos víamos, que ele estava "carente"...Aposto que vários de vocês já podem imaginar a que tipo de carência ele se refere, certo?É, é essa mesmo, aquela que acomete homens e mulheres, a "física"( para bom entendedor, meia palavra basta, correto?!)

Depois da rápida conversa, passei a refletir sobre os diversos tipos que existem...Eis algumas representações: a "física"- que acomete nosso amigo neste exato momento; de atenção- ah, são tantos que sofrem dessa variação, principalmente nos dias tão apressados de hoje; a de alimentos- ah, a fome!Quão cruel ela pode ser, pensemos nos nossos amigos africanos...Continuemos: a de expressão, quantas vozes já foram caladas e precisavam ser ouvidas; a carência de abraço- essa em especial, eu mesma senti hoje de manhã, da minha avó, que já partiu e está em outro plano...

O mundo anda tão carente...De todas as carências...Todos com tanta pressa, afinal, tempo é dinheiro, a tal "filosofia" que os Estados Unidos da América ajudaram a disseminar através dos tempos, tempos duros, de muitas vidas ceifadas- muitas vezes, sem necessidade-quando a paz já deveria ser o caminho, como diria Gandhi ( quanta falta você nos faz!).E por falar em filosofia, na acepção do termo, remete aos pensadores, aqueles que utilizavam a razão como base de seus argumentos...E quem disse que considerar a condição financeira como sustentáculo de toda a humanidade é FILOSOFIA?!

Aliás, parece que esse penúltimo verbete não foi colocado aqui "por acaso":somos humanos e através dessa condição- que parece básica,mas é primordial- necessitamos suprir nossas carências; somos seres sociais, os quais necessitam dividir ideias, compartilhar sentimentos, enfim, buscar alternativas para tanta "falta de amor e compaixão" entre "humanos"..O porquê das aspas? Eu explico: parece que esquecemos do que realmente significa esse termo...Ah, o amor incondiciona...Por toda uma raça- a humana- credos, cores, opções...Um dia chegaremos lá....

Abraços à todos!!!

domingo, 24 de julho de 2011

Você sabe dizer não?

Você sabe dizer não?Parece uma pergunta boba,daquelas que se faz para uma criança, quando s primeiras palavras e -coincidentemente- a que elas mais gostam de pronunciar,mas também a que menos gostam de ouvir: não...Porém é através dessa constante negativa que começa a nossa história de hoje...Nos primeiros anos de vida, ouvíamos quase sempre a frase de nossos pais:"não, vc não pode; não, é perigoso"..Bons tempos aqueles nos quais éramos protegidos pela placidez de um não, mais do que sensato...

É meus caros, os tempos mudaram...Hoje tem tanta definição para um simples desejo não correspondido: depressão, estresse pós-traumático, bullying, transtorno bipolar; quando para mim, o que faltou na criação dos jovens das últimas duas décadas foi escutar e refletir mais sobre o que se quer, se não se trata de simples "capricho" de alguém mimado em demasia..Escutem essa pequena história:

-"Mãe, sabe aquela última coleção de bonecos que todos os meus colegas de escola já tem?Eu também quero, senão só eu vou ficar de fora na brincadeira..Por favor mãe!

E a mãe responde:
-"Mas meu filho, eu já te dei um presente mês passado; esse mês tenho muita conta para pagar...Onde está o dinheiro que te dei para a semana?"

E o menino então retruca:
-"Ah, mãe você é muito chata...Vou chorar até você me dar"

E no final:
-"Tá bem meu filho, não precisa chorar, amanhã vou te dar esse boneco que você tanto quer".

E assim surgiram Susanes, Mateus , Lindenbergues e mais outra centena de jovens que, um dia, tiveram seu desejo negado, como Wellington Menezes de Oliveira, no conhecido "Massacre de Realengo", quando 11 crianças morreram porque o ex-aluno da Escola Tasso da Silveira decidiu que era hora de fazê-los "pagar" por ter sido maltratado enquanto tinha sido aluno..."Pobre menino caprichoso"...Entregar tudo "de mão beijada": é assim que evitamos que nossos filhos sofram,sejam menos felizes?

Não, ainda não tenho filhos...Mas no dia que os tiver, ensinarei que nem sempre teremos todos os nossos desejos prontamente atendidos, que existe dor, frustração e sofrimento.Pais tem a mania de achar que seus frutos vão estar no conforto e segurança do ventre materno para sempre.Podem passar gerações e mais gerações, as relações humanas podem estar em constante mutação- nem sempre para melhor- mas o instinto de proteção, de querer o bem-estar e felicidade dos mesmos continuará...

Quer dizer não? Fale, mas imponha a convicção necessária para que seu filho compreenda que sua vontade não pode ser atendida naquele instante, mas que se deve utilizar o próprio esforço para conseguir seu intento e assim, num futuro próximo, valorizar mais as conquistas realizadas naquilo que começou através de um primeiro passo dele mesmo...Melhor negar um presente hoje que garantir um futuro de incertezas..não é mesmo?!

Abraços à todos!!!

domingo, 3 de julho de 2011

Faíscas...

Faíscas...De onde será que elas vem e será que existe prazo de validade para acabarem?Foi exatamente o que aconteceu comigo ontem de manhã...Imaginei que uma centelha de vontade tinha se acendido em mim,porém cheguei a conclusão de que foi nada mais do que uma simples faísca...

O fato foi tão curioso que, em meio a algumas anotações tortas - literalmente falando,pois anotei de cabeça para baixo- me dei conta de que estava querendo realizar não o meu sonho, mas sim o dos outros...Que estranha essa mania que certas pessoas tem de querer "se realizar" através de outra, não acham?!Dizem que nem toda faísca pode gerar um incêndio-quando controlada à tempo-mas que este provém,na maioria dos casos, de curto-circuitos...

E o que é um curto-circuito?Uma sobrecarga...A máquina começa a "pensar" tanto,mas tanto que nem ela mesma aguenta e acaba "pedindo" ajuda ou até mesmo um "tempo" pra voltar a sua velocidade normal, constante, sem atritos sujeitos a possíveis panes...E ainda existe aquele que diz que ser humano não tem metade da perfeição das máquinas...É óbvio que temos,aliás as mais incríveis:nos momentos de crise, de "tilt", não paramos de funcionar, continua-se a fazer um trabalho, só que agora de reestruturação...

É nesse momento que então paramos um pouco, respiramos fundo e analisamos de onde está vindo o cheiro de fumaça: algo errado nas engrenagens do coração ou a mente necessita ficar "temporariamente desligada"?A gente tem mania de ser egoísta, autosuficiente nos momentos em que deveria chamar por socorro- juro que não é covardia ou prova de fraqueza...

Esse foi o depoimento de alguém, que precisou entrar em curto-circuito para se dar conta de que é absolutamente necessário não esperar que um fio fique desencapado para começar um "serviço de manutenção"...

Abraços à todos!!!

sábado, 4 de junho de 2011

Trabalho de equipe...

Oi pessoal,quanto tempo!Sempre acabo fazendo essa saudação pois tenho andado um tanto quanto relapsa com a divulgação de minhas ideias por aqui...Como diz uma grande amiga minha, a proximidade dos "30"-esse número redondo que assusta um pouco-traz à tona reavaliação de valores,ações,enfim,o que de fato achamos válido em nossa existência...Chegou o mês de junho,mês de festas ,de muita comida,muito forró pra dançar(obviamente, para os que gostam)...Pensaram que se resume a isso?De jeito nenhum, estamos falando também de esporte,mais precisamente de mais um ano de Liga Mundial de Volêi..Sinto que o mundo pára la fora e quem quiser que "aguente" os gritos "estilo Bernardinho"-incrível como nós brasileiros,eu mesma, nos sentimos os próprios técnicos de voleibol nos momentos mais decisivos...

Alguns de vocês devem estar se perguntando:"Será que ela virou critica de esportes?" ou coisas do tipo "é muita pretensão da parte dela",certo?Mas a ideia é boa e acredito ser interessante para utilizarmos na vida...Sabe quando o jogo parecia perdido e o técnico chama a equipe para aquela boa "puxada de orelha"?Pois é mais ou menos o que acontece em vários momentos: a gente pensa que o jogo está perdido, que o time adversário já está com a partida nas mãos, é a hora de parar,respirar e reavaliar quais as melhores jogadas, qual a melhor posição que devemos ter: esperar que a bola caia nas nossas mãos ou analisar sua trajetória e impedir o ponto do lado oposto?

É muito prático dizer que o erro é do outro quando nós deveríamos assumir a responsabilidade pela falta cometida..Na infância,nossos pais sempre nos chamam a atenção de quem quebrou, que conserte,ao sair do quarto,apaguem as luzes..Mas o ser humano é um bicho curioso não é mesmo?Tem a estranha mania de estar sempre brincando de "batata quente",certamente vocês lembram de que brincadeira estou falando...O problema é quando a mesma já não se encontra mais tão quente e simplesmente a passamos adiante, afirmando categoricamente que já era impossível segurá-la e no último segundo,ela já não era mais nossa e quem deve se retirar é o colega ao lado...Mas voltemos ao esporte-modelo da história de hoje...

Dizem que o Brasil é o país do futebol,pois eu protesto: nosso país tambem pode ser considerado o país do Volei..Se estou defendendo algo que "tira a atenção" de temas mais relevantes,como a falta de segurança, o caos no sistema público de saúde?Talvez,apesar de nunca ter sido a criatura mais esportista desse mundo...Pois eu vos digo que devemos ter um time inteiro dentro de nós,onde nossos braços e mãos compreendem os seis jogadores e nossa mente, o técnico que nos chama nos momentos mais difíceis da partida- e não precisa esperar até o jogo da final para defender um bloqueio triplo da equipe adversária...Se o set parecer perdido?Respira,esfria a cabeça e pule, o mais alto que puder, tomando a devida precaução de "manter o foco dentro da linha na quadra da vida- que continue o jogo!

Abraços à todos!!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

De frente com a coragem...

E assim passaram-se quase 2 meses desde que estive aqui pela última vez..Estava sentindo falta de tudo isso,sabiam?Acho que sempre acabo começando as crônicas da mesma maneira pois passo "um milênio" sem escrever,achando que preciso de uma inspiração estratosférica para "dar as caras" para vocês..

Nunca fui muito de apreciar reality shows,mas há dois dias tem um-especificamente- o qual me chama muita atenção: um programa inglês-com várias cópias,é verdade- de perfomances artísticas,seja de música,dança ou atuação, o "Britain´s got talent"...É curioso ver quantas pessoas com dons incríveis estão "perdidas" pelo mundo afora,ou no mínimo, ainda não foram achadas..É uma coragem descomunal,simplesmente na busca de um sonho...Algumas delas iniciaram desde pequenas, outras , através de sorte ou como queiram chamar,descobrem "por acaso"...

Dentre os vários vídeos que pude visualizar,um deles me fez ter a "ideia" de falar sobre o tema de hoje:um jovem de 17 anos,de muito boa aparência,com uma família de condição financeira relativamente boa e jogador de Rugby...Resumo da ópera: a "última" pessoa que,nós pobres mortais imaginaríamos ser possuidor de voz tão harmoniosa e afinada-e não é que o garoto possuía a tal voz?!-aliada a uma humildade cativante,ingredientes perfeitos para um sucesso instântaneo...Muitos podem estar pensando agora:"Mas será que vou perder meu tempo vendo esse tipo de programa?"ou mesmo "É apenas mais um sucesso pré-fabricado com data de validade já pré-estabelecida";vivemos em um país de liberdade de expressão,correto amigos?Então,fica a critério de cada um escolher o que imagina ser melhor,mais ainda, de bom senso...

Antes de começar sua apresentação,os jurados indagam o que o garoto deseja com sua música,a maioria responderia que quer ganhar dinheiro com sua arte, viajar o mundo inteiro e por fim, ser reconhecido por seu talento,mas pasmem:ele respondeu que gostaria de fazer as pessoas felizes..A banca julgadora não acreditava no que acabara de ouvir,foi então que a apresentação se iniciou e uma voz doce,afinada e segura foi posta à prova( e não é exatamente assim que nos sentimos em vários momentos de nossas vidas?!).

Ele respirou fundo e começaram os comentários:uma das juradas pediu para que ele tirasse as mãos do bolso, pois isso fazia dele um "perdedor" e sua voz não dizia isso; o mais "chato" disse que ele tinha muito boa presença de palco e pediu para que tomasse cuidado com o psicológico e por fim, viu-se que o jovem jogador de Rugby tinha recebido três votos favoráveis ,o que diga-se de passagem é algo muito fantástico para um iniciante...Por quantas vezes nos deparamos com ocasiões nas quais esperamos pelo aval de outras pessoas,talvez para que nos sintamos mais seguros,mais confiantes de que estamos indo no "caminho certo"...

Entre encontros e desencontros de ideias,surgem possibilidades,caminhos viáveis,mas ainda nos sentimos como nosso jovem personagem de hoje: precisando da opinião alheia nos confirmando que aquele ali é o rumo mais indicado a ser seguido..Alguns podem pensar:"será que dessa forma parece autosuficiente demais ou é puramente um desejo premente de independência?"Nem uma coisa e nem outra..Ficou confuso não é mesmo?Tudo bem, explicar-vos-ei:acredito existir um meio-termo para os momentos de decisão;não devemos desperdiçar oportunidades que nos aparecem,simplesmente porque pessoas de nossa confiança nos aconselham que "este ou aquele é um caminho árduo demais; aquilo não serve ou não nos trará resultados"...

As experiências nos proporcionam subsídios para evoluir e amadurecer , mas ao mesmo tempo, podemos aproveitar as palavras de incentivo daqueles que acreditam que somos capazes de ir em frente, realizar uma mudança radical ou até a humildade de pedir ajuda quando não se sabe por qual caminho seguir... Dou "três votos" de sim,podem contar comigo...

Abraços à todos!

domingo, 3 de abril de 2011

Hora de reestruturar...

Não,isso não é "repeteco" do post que escrevi no final de 2010...Juro que não.Alguns amigos lembraram que hoje, exatamente nesse dia,começa o novo ano astrológico;portanto,hora de reestruturar as ideias,sentimentos e ações...Bom,mas isso foi só pra "abrir" e dar espaço,comecemos o que imaginei para hoje... Domingo é aquele dia que tanto serve para não fazer nada,como pode servir para reestruturar,reorganizar ideias, fazer aquilo que programamos a semana inteira,mas alegamos "nunca ter tempo suficiente",fazer aquela caminhada, começar aquela dieta,etc..Eu?Resolvi assistir um filme,aposto que estão todos curiosos para saber qual foi,não é mesmo?Pois eu respondo:"Julie & Julia". Conta a história de duas mulheres, separadas por mais de 40 anos de diferença,porém com uma paixão em comum: a culinária,como forma de preencher um vazio na vida de ambas... Se elas eram infelizes?De certa forma, sim.. A primeira,Julie, essa dos tempos atuais,é frustrada no trabalho:"empurra" um ofício de atendente de seguros,pois é a única maneira de se sentir incluída no mercado de trabalho..Mora com seu marido,Eric, em "cima de uma pizzaria",no bairro do Queens,em Nova York. A segunda,essa é Julia,já com uma certa idade,muda-se para Paris com seu marido,Paul,pois este tem um posto importante.. Ocorre que a jovem senhora é diferente da maior parte das americanas: ela não quer se sentir desocupada,como se dependesse completamente de seu marido; este a indaga o que ela gosta de fazer,qual foi a resposta?Sim, meus caros, a culinária,Julia ama, na verdade, comer..Mas não sabia cozinhar,aliás,não fazia a mínima ideia do que era a culinária, especificamente, a francesa... A decisão de ambas?Iniciar através da arte de cozinhar,um processo de mudança gradual..Julia inicia um curso de culinária,pois assim deseja ajudar as donas de casa americanas a arte da culinária francesa.Sofre bastante no início,já que sofre o preconceito de ser uma mulher na arte de cozinhar profissionalmente falando.Fim da história?Nada disso. Alguns "muitos anos depois",surge Julie, a mocinha que acaba de fazer 30 anos e chega a conclusão de que é hora de fazer algo e conseguir terminar.. A tarefa escolhida?Escrever um blog com todas as receitas de Julia,só que existe um prazo para terminar: um ano,ou seja, 365 dias para escrever - e testar- mais de quinhentas receitas..Que comece o desafio...Aves,sobremesas,carnes e para finalizar,o bendito "pato desossado"..E ela pensa:"Nunca desossei um pato, como vou fazer isso?"..Tudo começa de um primeiro passo,certo amigos?E assim ela o fez.. Das receitas mais fáceis, do desespero na hora do erro,ela seguiu..Tinham momentos em que,simplesmente tudo, dava errado..Se dava vontade de desistir?Sim,claro, estamos lidando com a falibilidade (será mesmo que essa palavra existe?!) humana..Alguém aí relembrou algum episódio parecido,acertei?Bate aquela vontade de jogar "o resto da comida no lixo",como fez a Julia...Limpou as lágrimas e reiniciou seu intento.O resultado?Vários convites para editar o blog em livro.. E é por isso que existem momentos como esse,ocasiões em que é necessário colocar as coisas em ordem ,avaliar o que realmente é importante e jogar fora tudo aquilo que só "ocupa espaço na garrafa dos nossos pensamentos"..Deu curiosidade pra ver o filme?Prepara uma pipoca e chama os amigos..Bom filme,mas não esqueça de você,ok? Abraços à todos!!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Creio porque VEJO...

Mais uma vez,hesito antes de escrever por aqui...A gente "abandona" a tal "zona de conforto" aos pouquinhos,nunca fui muito afeita à mudanças bruscas,aprecio mais o passo a passo que tomar a drasticidade como ingrediente principal.Mas deixemos de tanta divagação e passemos ao que havia imaginado para hoje..

Tenho um amigo, se é que já posso denominá-lo assim,considerando que pelo menos até o presente momento,ainda não ultrapassamos a barreira virtual...Ele adora me enviar "livros",arquivos de texto ou seja lá como queiram nomear esse emaranhado de letras,pontos,vírgulas,inseridos no quadrado mais perfeito dos últimos 40 anos, o computador...Engraçado é que ele manda coisas as quais eu me agrado muito em ler: textos sobre História do Brasil, obras de escritores clássicos, fotos de monumentos históricos,etc..
O que ocorre?Até o presente momento não "consegui" ler nenhum deles..Falta de vontade?Não,simplesmente não me atrai a ideia de não poder sentir algo perfeitamente palpável, como um livro de verdade; aquele em que podemos passar suas páginas,destacar o que encontramos de mais importante e voltar..Sempre que quisermos.

Por quantas vezes nos deparamos com situações assim?Precisamos da certeza de que aquilo é a escolha certa,o caminho a seguir é esse mesmo,mas a vida é mesmo uma "menina que vive brincando de esconde-esconde" e nessa brincadeira,a gente se perde e se acha,tudo isso no momento oportuno...As trilhas pelas quais seguimos nem sempre indicam o caminho mais fácil,é cheio de armadilhas,tropeços e imprevistos,mas sabe que temos um "mapa"?

No mapa temos as dicas que recebemos de amigos, família são a "corda, o palito de fósforo,o capacete que protege da pancada"..Se eles sempre acertam?Não, estamos falando de seres humanos..O melhor de tudo isso é saber que se um desses auxílios " de primeiros socorros" não deu certo,podemos contar com um daqueles brindes,não está presente sempre,mas alguns agraciados vem com ele: a intuição...Certezas inabaláveis do dia de amanhã?Difícil responder algo que não está ao alcance de nossas maõs...Usou "o kit de emergência" na hora errada?Volta um pouco "a fita"e refaz a rota,é sempre bom fazer as coisas no nosso "próprio tempo"...

Abraços à todos!!

terça-feira, 8 de março de 2011

Mergulho Profundo...

Carnaval quase no fim,resolvi postar hoje...E então,estão aproveitando os últimos minutos de "folga"?!Espero que sim...

Numa terça-feira "gorda" de carnaval, época na qual milhares de brasileiros aproveitam para não pensar em nada,esquecer dos problemas, da conta que já passou do dia do vencimento,cá estou,pegando a contramão(pra variar!),o caminho inverso...Tirei o dia para avaliar o que se passa,quais os próximos projetos...Engraçado que ao acessar a rede mundial de computadores,acabei acessando os mesmos sites de sempre,incluem-se aí redes sociais-afinal,não posso fazer propaganda,certo?Caixa de e-mail?Não,nenhuma mensagem nova...E o que dizer dos sites de "notícias"?Nenhuma notícia que espantasse além do normal..Enfim, visitei as mesmas coisas,fiz os mesmos "passeios virtuais",tudo isso para não ter tempo de pensar em mim mesma..Curioso isso,não?
Boa parte das pessoas "sobreviventes" dessa maré virtual que quase nos engole diariamente tem a séria mania de "perder tempo" em frente ao computador fazendo o que?Nada..É o tal do ócio,que de criativo,não tem é nada..A razão para isso?Medo,pura e simplesmente medo...Algum desavisado aí deve ter pensado:"É,acho que ela não está nada bem"...Prontos?
As coisas estão imediatistas à tal ponto que nem bem acordamos,a primeira reação é "correr" pra tela do computador...Foi-se o tempo em que dar bom dia, abrir um livro ou mesmo admirar um dia bonito de sol era importante...O simples fato de abrir os olhos já seria motivo de comemoração,certo?Talvez soe um pouco nostálgico,piegas ou qualquer outro adjetivo que queiram dar a isso,mas mergulhar em nós mesmos nunca foi tão complicado,estar sozinho se tornou uma verdadeira tortura,já que o individualismo impera nos dias de hoje..
De fato, a tecnologia não nos permite estar sozinhos:sites de relacionamento, conversas on line em tempo real,aquele e-mail de trabalho que você ainda "não teve tempo" de responder..Acho que já é hora de desligar o controle da tv,certo?Bom mergulho!!!
Abraços à todos!!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Sustentabilidade humana

É amigos,nessa "brincadeirinha" de hesitar em escrever por aqui,já se passaram dois meses,parece até poema de Mário Quintana,não acham?Aquele que fala sobre a tão rápida passagem de tempo..Mas chega de divagações que hoje não vim aqui pra isso..

Certamente a mídia, em todos os seus canais,já falou em sustentabilidade como uma maneira de salvar o planeta Terra,concordam?Mas será que alguém aí já ouvir falar em sustentabilidade humana?Estão pensando que enloqueci..risos..Eu explico, com toda a calma inerentes ao novo espírito que norteia o novo ano que chegou há tão pouco tempo.

A palavra que escolhi como tema para hoje tem por sua acepção mais difundida colher os frutos sem prejudicar o meio-ambiente,obtendo lucro sem a necessidade de destruir o nosso bem mais precioso: o mundo em que vivemos..Mas e o que seria esse conceito em relação a nós mesmos?Nada mais é que deixar que colhamos os frutos do nosso trabalho sem que para isso seja preciso destruir a nossa essência,esquecer quem somos e consequentemente, a paz de espírito fique em último plano.

O ser humano tem a mania de querer ser o mais certo,o mais correto,isso ao menos quando se encontra diante de outros, afinal o que norteia é a concorrência..Queremos fazer mil coisas ,tudo isso para aumentar a nossa produtividade,otimizar nosso tempo...Mas será mesmo que esses "doze trabalhos de Hércules" sairão tão bem feitos assim?A consciência de que somos seres falíveis,passíveis de erros é considerada contraindicação nos curriculuns dos grandes conglomerados;a medida mais do que urgente nesse momento: devemos lembrar que estamos lidando com pessoas,dotadas de alma e coração...Olhar para dentro e ver quem somos e qual nosso papel no mundo em que nos cerca é o primeiro passo..Você já se perguntou hoje?

Abraços à todos!!!