quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A página que faltava...

Realmente, eu ando muito em falta com vocês, meus parcos seguidores(risos)..Porém, cá estou e devo dizer que a inspiração de hoje surgiu do modo mais inusitado-ou não- visitando uma página e outra da internet,já sei,não entenderam nada né?Eu e essa minha mania de achar que todo mundo gosta de ler nas entrelinhas..Bem, eu vos explico:tem horas que mesmo nesse universo vastíssimo que é a rede mundial de computadores, a gente acaba sempre fazendo as mesmas coisas, lendo os recadinhos dos amigos, acessando aquelas mesmas páginas de relacionamentos e por fim,lembramos daquele trabalho ainda por fazer,certo?É a danada da rotina chegando,moça metida essa,eu acho...

Todos os dias acordamos sempre naquele mesmo horário, de preferência com o auxílio do despertador,ninguém quer correr o risco de perder um compromisso marcado..A ordem disposta das coisas no banheiro é sempre a mesma;o modo como as utilizamos acaba sendo sempre o mesmo:aquele batom com a pontinha quebrada, a descarga que só funciona com um pedacinho de arame,e é claro, a gente sempre molha primeiro os pés na água gelada do chuveiro,pois a "resistência" queimou e nunca sobra um tempinho pra trocar, correto?

O cérebro roda,roda e sempre acaba caindo na mesmice da rotina:é mais fácil, prático e não requer manual de instruções..Mas,como o ser humano é bicho que nunca está satisfeito com o que tem,acaba caindo na fase insuportável da reclamação: nada presta, ninguém segue minhas ordens ou mesmo, eu não consigo seguir padrões pre-estabelecidos e no final das contas, a gente acaba fazendo as coisas sempre do mesmo jeitinho,será que é por isso que a medida em que os anos passam, eles parecem "voar"?Acredito piamente nessa ideia...

Alguém deve estar pensando:"Mas quem ela pensa que é??","Aposto que deve fazer sempre as mesmas coisas, da mesma maneira"...Sim, eu também fui acometida pelo "mosquito da acomodação",faço sempre as mesmas atividades, contudo a vacina está próxima de ser descoberta: que tal começar calçando a meia pelo pé esquerdo;consertar a descarga quebrada há mais de seis meses e??Entrar de cabeça naquele banho gelado de novas ideias...
Abraços à todos!!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

O dia em que senti de tudo um pouco...

Tenho um amigo seguidor desse blog que adora fazer comentários sobre o que escrevo...Uma de suas ideias preferidas é dizer que o medo impede o ser humano de viver...Mas o que seria de nós se não fosse o mesmo?Sinto muito caríssimo, definitivamente discordo de suas palavras,embora respeite- as com a força delas mesmas...O medo faz parte da natureza humana, nos acompanha em diversos momentos cruciais de nossas vidas e nos auxilia em nossa sobrevivência, sim, é verdade!

Dia desses vi uma máxima pela rede mundial de computadores( sim, essa pela qual vocês tem acesso às minhas divagações):"Se você nunca sentiu medo, vergonha ou dor é porque nunca correu riscos"..A simples conclusão é de que somente a raça humana pode traduzir, transcrever as experiências em sentimentos variados, tais como raiva,medo, tristeza, revolta, etc...Os animais irracionais não tem essa dádiva, possuem unicamente o instinto de sobrevivência e perpetuação da espécie, o interesse é deixar sua marca na terra...Fala sério!Qual é a graça de passar pela terra sem sentir nada?!Calma para os defensores dos bichinhos e plantinhas: não pretendo dizimar passarinhos, baleias e os poucos ursos polares que ainda restam no globo...

A marca de que estamos de fato vivendo é justamente o fato de que cada dia nunca vai ser igual ao anterior,embora muitas vezes a rotina parece nos perseguir:acordar, enfrentar o engarrafamento nosso de cada dia, levar o filho na escola e de repente, lembrar que ele esqueceu de trazer a pesquisa que a professora pediu..."Ah menino, vai me fazer perder tempo!"E assim, aparece a raiva...Chega dezembro, apresentação de Natal:"Filho, que coisa linda,vamos comemorar esse dia!"- assim aparece a alegria, o contentamento de ver que tempo também nos dá bons frutos...

Temos pés, mãos, cérebro e coração...Cada um deles tem o seu papel relevante na hora de tomar decisões, o problema é quando deixamos que só o medo tome a frente e nos impeça de agir, deixando os outros sentimentos "de ação", se sintam "sufocados"...E por falar em sufocar, termino esse texto com as palavras do grande Luís Fernando Veríssimo:"Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar...Desconfie do destino e acredite em você...Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem QUASE VIVE ESTEJA VIVO,QUEM QUASE VIVE JÁ MORREU!"...Que tal sairmos do quase?!

Abraços à todos!!