quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Faróis Vermelhos...

Hoje acordei com uma vontade de não mais ver jornais televisivos ou qualquer outra espécie de mídia jornalística...É tanta desgraça, pessoas brigando por motivos banais e o pior de tudo, pessoas inocentes pagando pela ira de irresponsáveis nos trânsitos brasileiros..A mensagem de hoje serve como alerta para aqueles conhecidos como "de pavio curto": respirem fundo e contem até dez..A vida é feita de momentos, cada um estabelecido na hora oportuna, sem necessitar de pressa, desatino para tal..

Comparemos nossa vida como um semáforo, desses que encontramos em qualquer cidade do mundo: teoricamente, existem três tempos; o vermelho, momento de parar e repensar nossas atitudes para com o próximo e é claro, nós mesmos; o amarelo, ah o amarelo! Sabiam que esse "danadinho" engana muita gente?!Imaginamos que podemos seguir, pois ele enfatiza aquele instante de "meio-termo", quando não é nem verde e nem vermelho..Acho que alguém aí foi longe nas ideias, não é mesmo?!Momentos nos quais algumas pessoas agem sem refletir direito e outras, um pouco mais inseguras, avaliam, pesam as consequências..

A imaginação agora voou alto para boa parte de vocês, caros leitores, assim imagino...E por fim, vem o verde, ah meu verde presente na bandeira desse país, o qual em tese representaria o verde de nossas matas..Será mesmo que esse não deveria ser trocado pelo vermelho de tanta violência que assola nossa nação, todos os dias, em praticamente 100% de nossos noticiários?Calma, sem tanto drama, correto? Ainda existe um filete de esperança, tal qual o "riachinho de água cristalina que ressurge , após longos períodos de estiagem, em nossos corações vagabundos"...Após um pouco de divagação, afinal ninguém é perfeito e escrever tem dessas coisas, a gente se empolga e acaba deixando a imaginação fluir-até demais, confessemos...

Certas oportunidades só surgem uma única vez em nossas vidas, sejam elas ofertas de emprego, uma viagem inesquecível e até mesmo aquele por-do-sol que não conseguimos acompanhar, são sempre tão únicos, é sério, pode verificar nunca vão ser iguais..Embora nossa rotina pareça envelhecer um pouco nossas expectativas de dias melhores, pensemos na rotina das crianças, acho até uma incorreição de minha parte falar esse termo, já que essas "pessoinhas" encaram cada dia como uma oportunidade única..

Engraçado como eles falam de acontecimentos recentes como "naquele dia", não possuem a exata noção de passagem do tempo..Às vezes é melhor ser assim , concordam comigo?Porém o danado do tempo não perdoa! Traquino como ele só,parece querer roubar a beleza de viver cada ocasião como se fosse a primeira vez e tudo fica comum, sem graça..O bom de tudo isso é que existe um alento para mim, você e quem quer que leia essa mensagem: "Uma hora o sinal verde abre"...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Caixinhas...

Ontem, eu e minha mãe estávamos em uma daquelas lojinhas nas quais tudo se encontra, desde cartões desejando felicidades, desculpas e afins até chaveirinhos com todos e mais outros motivos possíveis; andando pela loja- por favor, não me peçam para revelar nomes, não posso fazer "merchan"( risos)-passamos pela seção de caixinhas, aquelas de cristal, com espaço para colocar fotografias e assim me lembrei que minha mãe adora caixas, deve haver alguma explicação plausível para isso não é mesmo?!

Nessas caixinhas ela guarda de tudo um pouco: contas- as piores coisas- mas infelizmente não nos livramos delas, é como aquele chefe chato, é um "mal necessário", afinal ninguém sobrevive sem prestar contas "ao leão"; fotografias, ah as fotografias! Das mais alegres às mais tristes, de quem um dia fez parte de nossas vidas, alguns continuam fazendo e outros, por uma razão ou outra já não fazem parte do nosso caminho nesse momento, mas certamente fazem parte da nossa história;ah claro, como poderia me esquecer dos velhos discos de vinil, aqueles que quando queremos relembrar um momento feliz que já tivemos, melhor dizendo, coleções de momentos felizes, assim como a vasta coleção de discos que teimamos em não deixar que o tempo as destrua, para finalizar, os brincos, colares, pulseiras, acessórios que participaram de um tempo guardado na memória de dias felizes.ou não.

Mas sabem que não só guardamos objetos nessas caixas? Claro que não.Guardamos além deles, todos os sentimentos que fizeram parte de cada pedacinho da nossa existência, como a raiva que sentimos em um momento de fúria, quando "joguei aquele anel que você me deu"( acho que alguém aí foi longe na memória,não é mesmo?!)..Só "tirem da caixinha esse sentimento se extremamente necessário, não vale à pena perder tempo com coisas que nos fazem sentir mal, certo?); as fotografias daquela viagem inesquecível, quer seja com amigos, familiares ou nossos amores, essas é sempre bom ter à mão...

As caixas onde guardamos rancor, amargura, ódio, tristeza e seja lá qual for o sentimento ruim, essas devemos jogar fora, existem coisas que devem ser eliminadas, não como forma de apagar o sofrimento que passamos, mas para que coisas melhores sejam atraídas, para que uma nova energia surja, trazendo assim a possibilidade de novas ( e boas!) recordações para mais uma vez, guardarmos em nossa caixinha de sentimentos chamada CORAÇÃO.

Abraços à todos!