sábado, 18 de outubro de 2008

Quebrar padrões: devo entrar nessa?!

Assim começo o blog de hoje: Vermelho...Nunca gostei muito dessa cor, principalmente se fosse para usar em alguma cor de roupa..Euu??Usar vermelho??Mas nunca, nunquinha mesmo, à não ser que fosse em caso de urgência extrema, como quando aconteceu na bendita formatura em Direito, que aliás não sei até hoje como consegui me formar,vai ver por essa minha insistência em sempre terminar o que começo, mesmo não estando 100% satisfeita, coisas de capricorniana teimosa até o último fio de cabelo, sabe como é...

Ocorre que, de uns tempos pra cá, comecei quebrando regras,paradigmas( nossa, como falei difícil hein?!),padrões que eu mesma já havia pré-estabelecido, como esse de não gostar e muito menos usar vermelho, à não que fossem alguns acessórios, tais como o meu belo sapatinho á la Dorothy, aquela mesma, do Mágico de Oz( será que se fechar os olhos e fizer um pedido eu consigo?!), continuando;comecei a usar esmalte vermelho, que achava que fosse coisa somente feita sob medida pra "aquele tipinho " de moças, mas enfim, nada contra a mais antiga profissão do mundo não é mesmo,risos..Até blusas vermelhas,nossa, quanta mudança,isso chega até a assustar um pouco, sabiam?

Hoje de manhã bateu uma vontade de assistir ao desenho do ogro mais fofo que já fizeram, Shrek, e assim o fiz..Liguei a TV,deu até uns probleminhas técnicos, nada que uma boa batida no aparelho de DVD não funcionasse, afinal,seja comprovado ou não, parece que quando a gente dá um "tapinha", as coisas "voltam" à funcionar,acertei?Percebi que até o próprio desenho em si quebra paradigmas, quebra padrões, a julgar pelo fato de que nós, meninas, sempre escutamos que quem sempre fica com a princesa no final da história é o príncipe encantado,não é mesmo!?

É,parece que os tempos mudam, embora no filme a Fada Madrinha, que aliás, diga-se de passagem, está mais pra Bruxa terrível,seja a própria mãe do "Príncipe Encantado",parem pra pensar um pouco:sempre tem alguém ajudando esse tipo de gente metida a se dar bem na vida,forcem a memória e vão logo se lembrar...

Acho que sempre fui alguém que demorou um pouco à se habituar às mudanças, nunca fui muito boa em tomar decisões; talvez pelo fato de que sempre precisasse de uma certeza de que nada iria dar errado,ou mesmo que se acaso desse, eu poderia quem sabe poder voltar atrás e tudo voltaria a ser como antes, assim como no passe de mágica que acontece no Shrek, no qual ele e Fiona voltam a ser os simples ogros de antes de toda trapalhada de querer ser o que não se é de verdade, fingir que uma simples boa aparência seja a chave de toda felicidade...

Já diria Jabor, em mais uma de suas crônicas interessantes, que "amar não é só dizer eu te amo, mas toda uma séria de atitudes que se tomam que fazem com que a outra pessoa de fato se sinta amada",bonitas palavras hein Jabor, pena que hoje em dia tanta gente se esqueça de todos esses valores tão importantes e acabem dando mais valor às coisas que às pessoas: o mundo anda em tanta pressa, as bolsas de valores substituem uma boa conversa em busca de se chegar à uma solução sensata, mas enfim, as pessoas estão amando as coisas e usando as pessoas, quando essa ligação deveria ser justo o contrário: amar as pessoas e usar as coisas...Amem mais, vivam mais e ao menos tentem usar menos, o planeta agradece...

Beijos,
Ludmila.

Nenhum comentário: