sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Lentes Invertidas...

Há alguns minutos atrás, parada em um semáforo aqui perto de casa, deparei-me com belas flores, meio cor de laranja, porém, ao tirar meus óculos escuros, os quais possuem lentes um pouco avermelhadas, percebi que as mesmas não eram exatamente da cor que havia pensado que vi, mas sim de um amarelo intenso jamais visto em outra ocasião..E pensar que isso aconteceu em uma fração de minutos, segundos eu diria até.Por diversas vezes possuimos alguma espécie de "lente invertida", até de cor invertida, como foi o meu caso..Está um pouco difícil de entender?Tudo bem, eu explico.

Em alguns momentos de nossa existência, nossos pensamentos parecem se afastar do que verdadeiramente acontece, "colocamos lentes" de diversas cores para não enxergar, propositadamente, o que está diante de nossos olhos, talvez por medo de encarar a verdade com toda a sua exatidão e até mesmo imperfeição, afinal quem disse que a verdade é sempre algo perfeito, inquebrável; ela muitas vezes machuca corações inocentes, ávidos por encontrar uma felicidade que às vezes parece tão inalcançável quanto a linha do horizonte...

E o que dizer daqueles que insistem em dizer que "enxergam" bem, se nem ao menos ver adiante do próprio umbigo conseguem?É muito fácil dizer que a vida é boa se não passamos por dificuldades, sejam elas financeiras, amorosas ou em qualquer espécie de relacionamentos e quando nos deparamos com aquele amigo ou até um desconhecido na rua que passa por dificuldades e nessas horas precisa só de alguém que tenha unica e exclusivamente a capacidade de ouvir..É, acho que estamos na era do "gritar para ser ouvido" que oferecer nossos ouvidos e alma para quem realmente esteja precisando desse apoio; afinal, não há tempo, tudo é muito fluido, rápido...Tempo é dinheiro..Passam-se os anos e essa máxima insiste em perdurar..

E assim, os "bons da vista" continuam suas buscas por algo que talvez nunca encontrem em si mesmos: a paz de espírito daqueles que tem a certeza de que um dia, foram de fato úteis para alguém; ou até para eles mesmos, pois muitas vezes, a auto-suficiência é tão exacerbada que basta a nossa própria sensação de bem-estar para que tudo esteja em seu devido lugar..

Soa até um pouco repetitivo eu me reportar às cores que nos rodeiam, mas o que fazer quando é o que vemos em nosso cotidiano: cores e mais cores; cores de amizades, cores de lentes que dão a ligeira impressão de estarem talvez um pouco "invertidas", deturpadas pela cegueira contínua que o dia-a-dia apressado nos traz.Respirem fundo e pensem: que tal sair por aí sem os tais óculos de "lentes invertidas" e trocá-los por uma boa máquina fotográfica, de preferência com um zoom poderoso, capaz de nos fazer enxergar, ver mesmo, o que de fato nos rodeia e melhor, fazer algo para mudar o que porventura esteja nos desagradando?Eu já comecei, vou sair por aí...Com uma máquina na mão e meus olhos de lince....Bendito seja aquele que inventou a fotografia...

Abraços a todos!

Um comentário:

Elaine Cronópio disse...

"Será felicidade, essa doce euforia que sinto quando fotografo?" (Pedro Vasquez).

Espero que a descoberta dessa nova forma de ver o mundo proporcione para você boas horinhas de ser feliz! ^^