segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Apaixonar-se pelo mundo...

Domingo é um dia meio complicado,não acham? Ao mesmo tempo que se pode ter um monte de coisas à fazer,pode-se ter absolutamente nada, o mais completo marasmo, daqueles que se contam as horas pra acabar..Estava eu, passeando pelo "enorme" shopping da capital onde moro, quando entrei numa lojinha daquelas que vendem umas tantas quinquilharias- detalhe: até a palavra já remete algo velho, risos-desde chaveiros até ursinhos de pelúcia.Foi quando avistei um globo terrestre,lembram-se dos tempos de escola?Sim, ele mesmo, só que numa cor diferente do azul piscina que estamos todos acostumados a ver: esse era amarelinho,num tamanho médio, nem tão pequenino, mas não era grande demais.Decidi comprá-lo,simplesmente me "apaixonei" por ele..Levei pra casa...

Curioso foi o fato de ter escolhido um artefato como esse, diverso dos habituais,para se levar de presente para si mesmo...Médio, sem aparentes arranhões.Apesar de que é necessário colocar a informação de que a vendedora do estabelecimento foi buscar outro exemplar no estoque, porém minha exigência era de que fosse na mesma cor e é óbvio, tinha que estar em perfeitas condições..E não é que quando a vendedora descia as escadas, o danado do globo escorregou das mãos dela e literalmente, despencou escada abaixo!Imaginem qual foi a minha decepção...Foi então que ela mostrou que o tal globinho não possuía as mesmas características daquele que eu tinha "me apaixonado"..risos..

E assim, fazemos com nossas escolhas: fazemos, depois analisamos a quantas andam as possibilidades de que através delas, nossas expectativas venham a se realizar,porém durante o caminho, ocorrem adversidades, imprevistos..E agora? O mundo "cai",não é mesmo?( assim como o globinho vindo do estoque)..Mas não é que o globinho que despencava NÃO era aquele que tinha sido almejado desde o início..Doce travessura do destino..O personagem dessa história estava lá, quietinho, "olhando pra mim",e dizendo:"Ei,olha, ainda estou aqui!!"E olhem só: era o último exemplar..

Quando imaginamos que tudo está perdido, é exatamente através dos erros que conseguimos encontrar nossos futuros acertos..O tamanho médio me agradou pois consigo enxergar as possibilidades, estabelecer metas..Já imaginaram se fosse pequeno demais?Não conseguiria enxergar alguns nomes, por maiores que fossem( pensem naqueles países bem pequeninos!!),ele iria se perder na em meio a um bocado de coisas que tomam nossa atenção - metas que se perdem na estrada-da mesma maneira que um globo daqueles de tamanho gigante iria me fazer sentir um pouco intimidada, o receio de fazê-lo cair,para consertá-lo levaria um pouco mais de tempo e paciência, concordam?

E assim,digo que não se arrependam daquilo que fizeram, mas sim do que um dia desejamos ter feito e por medo "do globo enorme se espatifar no chão", deixamos de fazer..Um amigo um dia me disse:"Na vida,não se é mais do que um dia desejamos ser"...Já sei, ficou confuso não é mesmo?Tudo bem, esclareçamos:Por muitas vezes dizemos que gostaríamos de ser menos retincentes, mais aventureiros,porém há que se salientar que somos exatamente o que queremos ser..Mudanças? Sim, são benvindas, desde que planejadas, como o globinho no tamanho médio, com seus nomes visíveis, porém não invisíveis, os quais não se perdem na imensidão das escolhas...

Abraços à todos!!

Nenhum comentário: