segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Vende-se um violino...

Depois de alguns muitos dias sem escrever por aqui, cá estou, de volta..Recebi uma mensagem de uma conhecida dizendo a mesma que estava se desfazendo de um violino..Foi então que pensei nesse mimento:"Nossa, se desfazer de um instrumento tão valioso e de som tão bonito..ela deve mesmo ter uma razão para tal"..E qual seria?Um problema financeiro,quem sabe e o mais desesperador, a desistência; não querer mais por achar difícil, complicado demais ou ainda aquele velho:"Não tenho tempo, mas quem sabe um dia eu volte"...E quantas pessoas não fazem a mesma coisa todos os dias?

Afinal, o ser humano tem a tendência de optar por sempre facilitar as coisas..Tem feira de eletroeletrônicos por esse mundo afora com a possibilidade de se desligar um fogão através de um simples toque de celular, pode uma dessas?A própria invenção do controle remoto foi marco inicial de tantas e tantas inovações tecnológicas que estavam por vir..Ninguém mais precisaria se levantar para mudar canais de televisão, aumentar ou abaixar o volume,olha só que "maravilha"..E assim , foram modificando- aos poucos -até a cabeça das pessoas, vejam só...

Se fossemos parar para lembrar todas as invenções do mundo moderno que vieram para melhorar nossa vida, de fato, são inúmeras..Porém, meus caros, sempre existe o revés, o outro lado da moeda que muitas vezes não enxergamos num momento de euforia, no sentido de que, ao mesmo tempo que nos auxiliam a "não perder tempo",pois o velho lema norte-americano ainda predomina na velha máxima de que "tempo é dinheiro",são muitas atribuições, o ser humano se tornou obsoleto e por várias vezes já ouvi pessoas dizerem "o meu dia deveria ter 25 horas"..Será que alguém avalia o que acaba de pedir?

Temos diariamente, mil quatrocentos e quarenta minutos para realizar nossas atividades, xingar o engarrafamento que nunca tem fim nas cidades sobrelotadas do nosso país, levar nossos filhos à escola,ufa isso cansa,não acham?!..Aposto que devem estar see perguntando se eu já soube de cara a resposta de quantos minutos existem em um dia, e a resposta é sim, eu tive de recorrer à amiga calculadora,matemática não é meu forte e nem vai ser..Um detalhe é facilmente perceptível;por mais que fujamos dele, sempre acabamos falando sobre o tempo: implacável, ligeiro como rastilho de pólvora e certo como o nascer do sol..Ah, deixei mais uma coisa no ar, não é mesmo?Mas é claro, o violino!O que será feito dele?Não, realmente não sei, mas certamente alguém terá TEMPO para desfrutar de sete notas musicais, que juntas, fazem melodias que ultrapassam a barreira daquilo que vai estar sempre no nosso caminho, como na música imortalizada:"tempo, tempo, tempo"....

Abraços à todos!!

Um comentário:

Roberto Alves disse...

Como sempre seus textos são peculiares, falam no nosso cotiano de forma simples e profunda. Incrível como coloca a questão de que a modernidade tem facilitado nossas vidas, mas simultaneamente tem tomado nosso precioso tempo, nossa sociedade é refém das inovações e do caos que instauramos, conseguir tempo para desenvolver atividades proveitosas é um dos maiores desafios do homem moderno.